Neste artigo, você vai entender de uma vez por todas que não é difícil poupar e investir dinheiro no Japão. Com matemática simples e bom senso, é possível seguir acumulando patrimônio de forma tranquila.

De modo bem simplório, existe duas formas de você obter capital para investir e elas não são nenhum segredo.

A primeira é elevando a sua renda, fazendo sobejar dinheiro para destinar aos investimentos. A outra seria efetuando um corte de gastos, também com o propósito de aumentar as margens entre receitas e despesas, ou seja, aumentar o lucro a ser investido.

O melhor dos cenários seria você conseguir aumentar a renda e em paralelo reduzir suas despesas. Daí você seria uma “máquina de fazer dinheiro”!

Muitas vezes você pode pensar que é difícil conseguir economizar para investir; e pensar também que é muito mais difícil entender sobre investimentos para começar.

Se este for o seu problema, vou te ajudar nesses dois pontos.

Vamos voltar lá no corte de gastos. Dê uma analisada nas suas anotações de orçamento doméstico (você faz, né?!) e veja entre as suas despesas mensais a que representa o maior percentual em relação a sua renda.

Você pode pensar que é moradia, mas, na maioria das vezes é o carro.

Se considerarmos todas as despesas inerentes ao veículo, tanto as despesas mensais fixas quanto às que devemos provisionar mensalmente para fazer frente no futuro, como imposto (a cada 12 meses), shaken (a cada 2 anos) e manutenção (periódica), vamos constatar que, de fato, carro é o item que mais pesa no orçamento familiar.

Como diriam lá no Brasil: “carro é uma segunda família”.

Dê uma olhada nesta tabela abaixo e veja bem as despesas referentes a carro que você deve considerar para elaborar e planejar um orçamento correto, e repare também, no exemplo, a comparação entre dois modelos de carros semi-novos, um de ¥ 3,5 milhões e o outro de ¥ 1,5 milhão.

Captura de Tela 2019-02-11 às 17.33.39

Pois é. Às vezes, para quem não está conseguindo criar uma reserva de emergência, nem poupar, tampouco investir, fazer um manejo das despesas através da troca de carro, por exemplo, ou outro item, com o objetivo de equacionar as despesas no orçamento familiar é a melhor solução.

Note que no exemplo acima — talvez não seja o seu caso, mas atente-se ao princípio da gestão eficiente de gastos — a diferença mensal de um modelo para o outro, com todas as despesas incluídas, ficou em ¥ 53.479, ao ano a diferença é de ¥ 641.748.

Certamente, para muita gente que comprime o orçamento doméstico para abrigar altas despesas com carro, essa diferença que um carro mais adequado ao orçamento familiar possibilitaria poderia ser investida em produtos financeiros, em viagens e experiências enriquecedoras, na preparação do futuro dos filhos… enfim, investida de várias maneiras.

Para me ater ao investimento em produtos financeiros, em investimentos para acumulação de patrimônio, vou citar um exemplo, baseado em rentabilidade oferecida pelo índice dos fundos imobiliários japoneses nos últimos 10 anos: 10,42% ao ano (calculadas sobre aportes fixos mensais com reinvestimento de dividendos, entre janeiro de 2009 a dezembro de 2018).

Aquela diferença mensal na tabela acima, entre um carro e outro, ¥ 53.479, aplicada mensalmente a uma rentabilidade média de 10,42% ao ano, conforme exemplo real mencionado acima, renderia no final de 120 meses:

¥10.914.532

Isso mesmo. Descontados os custos operacionais, o investidor teria investido ¥ 6.411.000 ao longo de 10 anos e com o efeito da taxa de rentabilidade tangível, teria acumulado o montante de ¥ 10.914.532.

Viu só o quanto é possível economizar ao reduzir gastos que, muitas vezes, não são devidamente contabilizados? E veja como essa economia pode ser transformada em multiplicação de capital!

É bem verdade que rentabilidade passada não é garantia de rentabilidade futura. Mas por se tratar de rentabilidade baseada em ETF que rastreia o índice dos J-REITs, ou seja, a média do mercado de fundos imobiliários japoneses, é uma boa referência para quem necessita enxergar possibilidades de dar sentido ao dinheiro de forma adequada, em vez de assistir ao dinheiro ir embora em despesas que impedem a construção da liberdade financeira.

Como disse, talvez seu orçamento não esteja apertado por causa de carro. Mas atente-se ao princípio da gestão eficiente dos gastos. Faça comparações, veja onde é possível reduzir despesas sem sacrificar a dignidade da sua família e priorize investimentos na construção de um futura melhor.

No fim das contas, percebe-se que não é tão difícil poupar e investir dinheiro no Japão. Com matemática simples e bom senso, é possível seguir acumulando patrimônio de forma tranquila.

É só priorizar ativos em vez de passivos!

Um grande abraço,

Marcelo Sávio Pimentel